domingo, 19 de junho de 2011

Para quem aprecia poesia

'TRADUZIR-SE', o poema (abaixo) de Ferreira Gullar, é bastante confundido com o poema-canção 'Metade' de Oswaldo Montenegro.
Aprecie sem moderação:

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?


3 comentários:

  1. Excelente, amiga!Parabéns!
    bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir
  2. fantástico denise. Adorei. Não conhecia. beijão

    ResponderExcluir
  3. Fantástico Denise. Adorei. Este não conhecia. beijão
    Dirce

    ResponderExcluir