sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Para quem gosta de conversar.



O BRADO DA INDEPÊNDENCIA.
(Por Denise Puppin) 

Ser independente sempre foi meu desejo, aliás, um anseio que prezo e cultivo até os dias atuais. 

A ausência de dependência é um estado bastante atrativo, poucos são os que não querem sua autonomia, não é mesmo? 

A capacidade de se autogovernar, exige o desenvolvimento de muitas competências, todavia, aquele que quer dar o seu grito de independência, precisa saber o que quer. Para iniciar a descoberta desse enigma, é fundamental sair das margens de si mesmo.

A independência exige a morte do comodismo. A independência marca o fim do império do conforto, e o inicio da luta pela conquista de si.

Se você ainda não deu o seu brado, que tal começar a pensar na ideia?


Este texto pode ser reproduzido desde que seja creditada a autoria e a fonte de onde o mesmo foi extraído - Lei 9610/98 – Proteção dos direitos  intelectuais - Copyright dP® 2012 (Todos os direitos são reservados)  - Texto registrado no EDA.

Denise Puppin é fonoaudióloga, Professora de Oratória e Retórica contemporânea; Trainer e Coach de Apresentações, Discursos e Treinamentos; Consultora de Imagem e Estilo Pessoal; Master Practitioner em PNL (Instituto de Berlim/Rio), especialista em Experiência de Aprendizagem Mediada (Icelp/Rio), Terapeuta no 'método Padovan de Reorganização Neurofuncional'.   
Desde 1991, ministra treinamentos e cursos individuais, grupos e in company em ‘Comunicação & Oratória’.  

14 comentários:

  1. Otima reflexão, dra... Muito proveitosa essa leitura. Grande bjo!

    ResponderExcluir
  2. ótima reflexão, a independência é sem dúvidas uma liberdade adquirida e um processo continuo de superação! bjs com sds!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecida Capadocia! Concordo com seu ponto de vista, "a independência é uma liberdade adquirida".
      Abs.

      Excluir
  3. Ser independente é ser livre, mas o processo é continuo de desenvolvimento... bjs

    ResponderExcluir
  4. Acabei de ler, gostei muito, você fez passar um filme de mais de 30 anos atrás quando aos 22 anos eu saí de casa e fui ser totalmente independente, muito bom, parabéns. Grande abraço

    ResponderExcluir
  5. Adorei Denise - "...sair das margens de si mesmo..." Ser independente requer mais de nós, uma coragem e uma disposição nova, para encontrar a mudança como amiga, como necessária, como meta de vida. Bacana. DEZ pra você. Por isso, vou recomendar o seu link.
    Bj

    ResponderExcluir
  6. Acredito que estamos vivendo a era da Interdependencia ou Morte. Pessoas e Empresas terão que aprender a conviver e competir somente com si próprio e assim provocar o consumo e convivência colaborativa

    ResponderExcluir
  7. Liberdade é a coisa mais fantástica e assustadora que alguém pode vivenciar. Você abre mão do seu lugar de conforto e vive todos os problemas que é estar por conta própria, a dificuldade é imensa. No entanto, ninguém que já tenha experimentado esta liberdade e independência consegue voltar a ser o que era, ou mesmo, viver como no passado.

    Concordo plenamente com você, tia! Independência ou morte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí Aloísio! Ninguem que tenha experimentado a liberdade e independência, consegue voltar a ser o que era...
      Abs!

      Excluir
  8. Boa noite!

    De fato, ser independente na teoria é ser dono do seu próprio nariz, no entanto, até que ponto realmente somos independentes?
    Se ser independente é morar sozinho, pagar suas contas, tudo bem, pode se dizer que é independente, mas e na questão de opinião? É de fato independente ou segue opiniões alheias apenas para se sentir aceito sem de fato ponderar e ter realmente uma opinião formada?
    Muitos apenas seguem tendências porque "está na moda", mas não pára um minuto sequer para ponderar a respeito, saem escrevendo ou falando coisas desconexas só pelo fato de agradar outros, mas desconhece-se os fatos.
    Somos independentes no trabalho? Agimos sob ditames das empresas, mas damos nossas opiniões para melhorar o ambiente de trabalho?
    Somos independentes nas escolhas de amizades/namorada(o)/esposa(o)?
    Somos independentes em nossas escolhas políticas ou vamos pela massa?
    Acredito que para sermos realmente independentes, uma complexidades de fatores devem ser vistos e colocados sob análise.

    Abçs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. felipe, concordo com seu pensamento, a independencia emocional e social são quase impossíveis! Usando aqui de uma certa elegancia para não ser absolutamente afirmativa... rss...
      Att.

      Excluir
  9. Muito bom o texto Denise Puppin! Parabéns....!)

    ResponderExcluir
  10. Ser independente requer um custo abandonar o ćomodismo.

    ResponderExcluir